terça-feira, 23 de novembro de 2010

Procura-se: ENCARNAÇÃO, de J.B.Marreco


Em 1978, J. B. Marreco inspirou-se no centenáro do romance Encarnação (1878), de José de Alencar, e transformou-o em um filme de horror – pelo menos de acordo com o Dicionário de Filmes Brasileiros - Longa Metragem (2002), que identifica ENCARNAÇÃO como um filme do gênero.

Estrelado por Celso Faria, Rubens de Falco, Cristiane Torloni e Cristina Mullins, o filme era baseado na última história escrita por Alencar e publicada logo depois de sua morte.

No romance, Amália é uma bela moça que não acredita no amor, e Hermano é um homem taciturno e viúvo de Julieta, moça pobre e pouco bela, mas extremamente talentosa para o canto e capaz de grandes demonstrações de afeto, mas que exigia de seu amado fidelidade eterna.

Amália começa a se interessar por Hermano ao admirar sua devoção à alma de Julieta e a uma misteriosa estátua de cera, que ele trouxera da França, para substituir sua amada. Obcecada, acaba conseguindo conquistar Hermano, mas, após o casamento, ele entra em crise por achar que está traindo sua primeira mulher, enquanto ela vai se tornando cada vez mais parecida com a morta.

Então, Hermano tenta se suicidar, incendiando a própria casa – na qual vivem tanto a jovem Amália quanto a alma de Julieta. Esta última aparece para o amado e lhe garante que ambas são, de certa forma, a mesma pessoa. Amália chega a tempo para salvá-lo, levando-o embora da casa incendiada e gerando, para ele, uma filha – que recebe o nome de Julieta.

Como não foi possível encontrar o filme, e nem informações ou imagens que possam esclarecer as dúvidas sobre ele, não é possível afirmar com certeza se ENCARNAÇÃO foi realizado como uma obra de horror. Mas, levando-se em conta a história escrita por José de Alencar e a classificação de gênero dada por Silva Neto (que usa, preferencialmente, em seu dicionário, a definição de gênero que os próprios realizadores davam aos filmes), é possível dizer que o longa tem um valor histórico muito grande para este panorama, pois trata-se de uma adaptação cinematográfica de uma obra literária de horror escrita por um dos mais ilustres escritores brasileiros.

Sem dúvida, ENCARNAÇÃO é um filme a ser redescoberto. Se alguém tiver notícias, por favor, avise.

Ficha técnica completa da Cinemateca Brasileira(Detalhe curioso: o produtor, que também é ator, chama-se Darcy Silva. Seria o mesmo profissional que se notabilizaria, dois anos depois, pelos efeitos de filmes como O PASTELEIRO e JOELMA? Pelo que se vê no IMDB, sim!)

7 comentários:

  1. Procura-se vivo, morto ou reencarnado! Nessa época em que espiritismo e reencarnação estão na moda, seria ótimo que alguém tivesse a idéia de resgatar isso de alguma maneira; se não exibindo na TV ou lançando em DVD, pelo menos exibindo em alguma mostra. Seria perfeito!

    ResponderExcluir
  2. e o bacana é o livro do Alencar coincide justamente com a entrada do espiritismo no Brasil. mas é bem difícil encontrar referências sobre o filme. tenho até dúvidas se chegou a ser exibido...

    ResponderExcluir
  3. Laura, na UFC, onde estudo, há um grupo de estudos sobre o José de Alencar. Vou contatar o responsável pelo grupo e perguntar sobre o filme. Sinceramente, acho difícil que saibam alguma coisa, pois tenho impressão de que eles ficam sempre na mesmice (duvido que alguém tenha pesquisado as obras do Alencar que foram adaptadas para o cinema, por exemplo), mas tomara que eu seja surpreendida!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Quis dizer "que tenham pesquisado os filmes adaptados de obras do Alencar", caso tenha ficado estranho.

    ResponderExcluir
  5. oi, Bia! causalmente, tenho um amigo que está com um projeto bacana em torno do Alencar no cinema, mas ele não conseguiu nenhuma informação sobre esse filme além das que já temos... seria ótimo que alguém conseguisse, né? bjs!

    ResponderExcluir
  6. Olá! Esse filme nunca chegou a ir para os cinemas. Ele foi filmado na cidade de São Lourenço em Minas Gerais e meus pais trabalharam como produtores no filme. Durante as filmagens tiveram inumeros problemas técnicos e com o elenco. Mudando a atriz principal djuas vezes. Primeiro foi Eloisa Raso depois Cristiane Torloni finalizando com Cristina Mullins que na época era esposa de J,B. Marreco. Eu era criança na época, mas me lembro bem de ter brincado nos bastidores do set de filmagens. Acredito que minha mNae ainda guarda algum material fotográfico do filme. Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ricardo! Eu não tinha visto seu comentário! Você por acaso é filho de Darcy Silva? De qualquer forma, gostaria muito de falar com você. Por favor, me escreva: laurapoa@hotmail.com. Obrigada, feliz ano novo!

      Excluir