domingo, 2 de maio de 2010

Morgue story - sangue, baiacu e quadrinhos



Na recente safra de longas de horror brasileiros feitos em tecnologia digital, um filme paranaense desponta como um dos mais interessantes. Trata-se de MORGUE STORY - SANGUE, BAIACU E QUADRINHOS (2008), uma comédia de humor negro escrita e dirigida por Paulo Biscaya Filho, baseada em espetáculo teatral homônimo que ele mesmo dirigiu, com muito sucesso, em 2004. Os atores principais - Mariana Zanette, Anderson Faganello e Leandro Daniel Colombo - são os mesmos da peça, assim como a maior parte do texto.

A trama, que se passa num necrotério, envolve três personagens cujas histórias se cruzam de maneira insólita: Ana Argento, bem-sucedida desenhista de histórias em quadrinhos; Tom, vendedor de seguros cataléptico; Doutor Daniel Torres, médico legista.

O Doutor Torres é um maníaco sexual que tem como perversão envenenar mulheres atraentes com uma poção secreta, baseada numa mistura de narcóticos com toxina do peixe baiacu, desenvolvida por sacerdotes vodus haitianos. O veneno induz as vítimas a um estado de catalepsia (que simula a morte) e, depois que elas vão para o necrotério, o médico legista aproveita para violentar e matar cada uma delas fugindo de qualquer suspeita. Os planos do psicopata começam a dar errado quando numa de suas incursões ele se depara com o um cataléptico profissional, Tom, que está no gavetão da morgue acordando da morte pela oitava vez.

Como obra de estréia, o filme realizado pela mesma equipe da peça não está totalmente livre de um certo ranço amadorístico, mas isso é compensado pela ótima história, por um ritmo alucinante e sem enrolações, mas sobretudo por diálogos muito engraçados. Além disso, a inspiração em quadrinhos e num tipo de comédia de erros que tem sido bastante comum no cinema internacional contemporâneo dá ao filme um ar de novidade que, como em MANGUE NEGRO, de Rodrigo Aragão, mostra que o que há de mais pulsante em nosso cinema de horror não está acontecendo nas produções em película, e sim nessas pequenas aventuras cinematográficas.

O filme já foi exibido em várias mostras nacionais e festivais internacionais, incluindo a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Infelizmente, porém, tem sido solenemente ignorado pela maior parte de nossa imprensa ávida por filmes hypados.

Veja também: Crítica de Marcelo Hessel

8 comentários:

  1. Tudo bem eu contar aqui que gostei muito desse filme e até chorei no final, ou vão tirar sarro de mim pra sempre?!? O final é cafona, eu sei, é pra lá de cafona, mas é uma cafonice tão sincera (e SIM eu gosto muito de Kate Bush) que me emocionou. E acho que isso é dizer MUITO de um filme semi-amador; eles acertaram em cheio e é uma baita pedida para quem quer conferir se há vida inteligente nesse gênero.

    ResponderExcluir
  2. eu também achei o final emocionante, Primati!

    e achei ainda mais emocionante ver que o filme foi pensado como cinema, e não como teatro - e isso tendo à frente uma equipe de teatro!

    acho uma pena que MORGUE STORY tenha sido tão pouco comentado, pois a equipe tem muito mais potencial do que muita gente que anda sendo incensada por aí, ganhando prêmios e dinheiro oficial...

    ResponderExcluir
  3. Pois é, eu odiaria fazer um filme assim tão cuidadoso e ter tão pouca repercussão. Pelo menos sugeri o filme como stand-by da mostra, lembra? Quem sabe ele ainda pode ser redescoberto, talvez com um lançamento em DVD mais abrangente.

    Gosto desses romances impossíveis, quando não apelam para o sentimentalismo barato. Por isso gostei também de FICA COMIGO ESTA NOITE e, num patamar bem mais elevado, UMA ESTRANHA HISTÓRIA DE AMOR.

    Aliás, falando em John Doo, vocês foram ver o NINFAS?? Nem pude sair de casa no sábado; compromissos se acumulando e falta de grana total!!

    ResponderExcluir
  4. Primati e Laura,
    Quem fica emocionado sou eu em ler as opiniões de vocês. Obrigado por essas grandes palavras a este nosso pequeno filme que tem sido uma experiência gigantesca!
    Com as limitações de verba e de mídia, vamos arduamente lançar Morgue Story em algumas salas brasileiras nas próximas semanas (se tudo der certo). Será uma distribuição feita "na raça", mas com a mesma paixão que tivemos ao fazer o filme.
    Agradeço novamente pelo entusiasmo e pelas lágrimas patrocinadas pela Kate Bush.
    Seguimos trabalhando. Abs.
    Paulo Biscaia Filho
    vigormortis@vigormortis.com.br

    ResponderExcluir
  5. Morgue Story, seja no teatro seja nas telas é sensacional!
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. opa, que notícia ótima! vamos torcer para que esse lançamento dê ao filme a visibilidade que ele merece!

    ResponderExcluir
  7. Dae!!
    Maravilha este post, Marcelo!! Eu sabia que ainda existiam pessoas sensatas nesse mundo!! Tô só no aguardo da estréia.
    Véio, entra no meu blog:
    http://morguestory.blogspot.com

    Tô fazendo uma campanha faz tempo para colocar esse filmão no cinema. "QUERO VER MORGUE STORY NO CINEMA!!!".

    Vamos fazer uma corrente positiva, valeu?!!

    Falow, abração!!

    ResponderExcluir
  8. Paulo, pode contar com toda a nossa torcida! Se possível, quando tiver confirmado o lançamento, avise-me por e-mail (cprimati@gmail.com) para que eu possa divulgar devidamente no meu blog (cine-monstro.blogspot.com). E novamente parabéns pelo seu filme, que de pequeno só tem o orçamento. ;)

    ResponderExcluir