quarta-feira, 12 de maio de 2010

Um sonho de vampiros


Em 1969, o mundo das chanchadas já fazia parte do passado, mas o cineasta Iberê Cavalcanti (1935-) decidiu levar a cabo um projeto de resgate das comédias populares carnavalescas, e, para isso, trouxe de volta Ankito (codinome de Anchises Pinto, 1924 - 2009), um dos principais nomes das chanchadas, no longa-metragem UM SONHO DE VAMPIROS.

O filme, estrelado também por Irma Álvares (no papel de uma vampira) e narrado por Hugo Carvana, contava a história do Dr. Pan (Ankito, então voltando às telas após um acidente que o debilitara por cinco anos), um velho cientista que vive obcuro, até que a morte lhe permite tornar-se um vampiro. Nessa condição, ele decide transformar todos os habitantes da cidade em sanguessugas – sobretudo os mais poderosos, como o delegado, o padre e o empresário. Então, dois jovens enamorados, Rosinha (Janet Chermont) e Camilo (Sonélio Costa), precisam ir à luta para que a vida volte ao normal.

Mesmo que o filme esteja, no momento, inacessível, é possível fazer algumas inferências sobre UM SONHO DE VAMPIROS.

Primeiro, que seu “resgate” das chanchadas dez anos depois do ocaso desse gênero brasileiro estava em consonância com outros movimentos, como o do cinema marginal, que vinham aproveitando a experiência paródica da chanchada em novos moldes, nos quais a cultura popular de massa era ressignificada de maneira mais anárquica e agressiva.

Outra inferência possível, decorrente da primeira, diz respeito a um certo “anacronismo” do projeto de Iberê Cavalcanti, justamente pela inocência do enredo.

Mas o aspecto mais importante do filme – pelo menos no âmbito desta pesquisa – é o de ter promovido uma típica comédia de horror (isto é, uma comédia cuja história que descreve ameaças sobrenaturais que provocam medo e repulsa nos personagens), possivelmente a primeira do cinema brasileiro a assumir-se dessa forma.

Infelizmente, apesar do valor histórico, UM SONHO DE VAMPIROS está, hoje, fora do nosso alcance, não tendo sido possível assisti-lo ou obter detalhes seguros sobre seu enredo e desfecho. Se alguém tiver notícias do filme ou de seu diretor, por favor entre em contato.

Ficha técnica completa da Cinemateca Brasileira do filme UM SONHO DE VAMPIROS (Iberê Cavalcanti, 1969).

11 comentários:

  1. Anônimo13.5.10

    não tem fotos desse filme? abs! Lu

    ResponderExcluir
  2. Filme interessantíssimo. Você nunca viu? Será que ninguém tem cópia desta pérola?

    Matheus Trunk
    www.violaosardinhaepao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. oi, Matheus! ñunca consegui nem assistir ao filme e nem ter acesso a imagens dele. também não consegui contato com o diretor...

    não conhecia o seu blog! vou colocá-lo na lista de links agora mesmo.

    abs!

    ResponderExcluir
  4. Este "Sr. Hyde" brasileiro no cartaz me lembrou aquele ator que faz o "lobixomem" no (argh!) Zorra Total! Não que eu assista aquilo... Juro!!!

    ResponderExcluir
  5. Laura, esse filme está na minha lista dos que eu mais gostaria de ver. Acho curioso todo o material em torno dele, inclusive esse belo cartaz. Acredito que até mesmo o sucesso de A DANÇA DOS VAMPIROS, do Polanski, influenciou a realização desse filme.

    Outra coisa muito curiosa são os letreiros do filme, em forma descritiva, incluindo esta frase: "de uma inopinada alucinação mojiquiana na cuca de Iberê Cavalcanti surgira o argumento vampirológico muito tropicalista e baratinado". Ou seja, é um filme que se assume de inspiração "mojiquiana" e se apresenta como "tropicalista". Não dá muita vontade de ver isso???

    Coincidentemente, acabei de ver outro filme do Iberê Cavalcanti, A FORÇA E XANGÔ. Como acontece quase sempre, o filme tem altos e baixos, mas no geral foi uma boa descoberta. É muito respeitoso com o candomblé e umbanda, mas ele não consegue evitar a idéia de que os "trabalhos" também são feitos para o mal. Tem pelo menos uma boa cena de macumba com elementos assustadores. Gostei principalmente porque o filme se leva a sério quase que o tempo todo, apesar de ter no elenco Elke Maravilha e Grande Otelo! Achei meio mal dirigido, mas como não conheço mais nada do Iberê, não sei se ele poderia ter feito melhor.

    P.S. ao Rodrigo: Paulo Silvino é gênio! (Mas acho ridículo seu lobixomem, que eu só vi uma vez no YouTube por insistência de um amigo... juro!!!)

    ResponderExcluir
  6. pois é, Primati! é um dos filmes mais importantes da minha "wish list".

    acredito que os cariocas tenham mais chance de consegui-lo do que os paulistas.

    também me pergunto o quanto UM SONHO DE VAMPIROS pode ter relação com os filmes do Ivan Cardoso.

    enfim, não são poucas as perguntas...

    ResponderExcluir
  7. Er... Verdade! Paulo Silvino! Me fugiu o nome!

    Laura, onde vocês conseguem estes filmes? Pelo menos os que vocês conseguem ver. Tenho muito interesse em conhecer mais a fundo o cinema de horror no Brasil, e de promovê-lo sempre que posso mas meus recursos pra encontrar este tipo de coisa é bem escasso! Estou procurando no lugar errado!

    ResponderExcluir
  8. Rodrigo, que ótimo saber que mais alguém além da gente tem curiosidade para conhecer esses filmes!

    geralmente, as cópias são levantadas num sistema de "garimpo": em locadoras que ainda têm coleções grandes em VHS; com colecionadores de VHS que gravaram os filmes de alguma transmissão de TV; na programação da televisão aberta e do Canal Brasil.

    mas, no caso dos filmes que nunca foram telecinados (como pode ser a situação de UM SONHO DE VAMPIROS, por exemplo) aí a gente fica dependendo de institições como a Cinemateca Brasileira, que recentemente exibiu o desaparecido NINFAS DIABÓLICAS.

    fiquei sabendo que há muitas coisas "esquecidas" pelos produtores em laboratórios de revelação e copiagem de filmes. parece que foi assim, aliás, que a cópia de NINFAS DIABÓLICAS chegou à Cinemateca.

    mas, mesmo num caso desses, não adianta só recuperar o original, fazer uma cópia e exibir: é preciso achar o "dono" do filme (ou seus herdeiros/representantes) para poder tornar a obra pública.

    nessas condições, há muitos filmes até recentes que provavelmente nunca mais serão recuperados.

    ResponderExcluir
  9. Pois é, eu defendo o retorno do cinema de gêneros no Brasil (que tem ensaiado algumas retomadas bem timidas nos últimos anos), principalmente a produção de um terror brasileiro único, sem ser cópia do que se faz lá fora.

    E sempre fui fascinado pelo cinema anos 70/80 que se fazia por aqui. Lógico que não tenho nem idéia de nomes, datas, e todos os outros dados que você e outros aqui possuem mas assisti muito destes filmes na TV antigamente e hoje eles sumiram. Deram lugar a este cinema brasileiro feito para críticos que considero intragável e pretensioso (com exceções, claro!).

    É sempre bom conhecer filmes novos!

    ResponderExcluir
  10. Adorei o texto Laura. Há alguns anos eu vinha organizando e pesquisando uma cronologia da ampla produção cultural de temática vampiresca aqui no Brasil que sempre comentei em meus workshops e conferências.Tenho este trabalho publicado em um site que volta ao ar nas próximas semanas e lá tem até umas fotos da produção...Espero que não fique zangada, mas reproduzí seu texto em meu site www.redevamp.com com seus créditos e links.
    Não achei seu email aqui - mas se quiser conversar mais, o meu é officinavampyrica@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  11. uau, fico muito feliz por meu texto ter contribuído, e estou curiosa para ver esse site com as fotos de Um Sonho de Vampiro!

    já linkei o redevamp.com na minha lista de sites/blogs. aguarde meu e-mail! abs!

    Laura

    ResponderExcluir