domingo, 19 de setembro de 2010

SHOCK! - Slasher movie made in Brazil


O artigo SHOCK! - Slasher movie made in Brazil, publicado na Revista Contracampo, da UFF, analisa o longa-metragem SHOCK! (São Paulo, 1984), de Jair Correia, filme juvenil brasileiro e principal representante nacional de um dos subgêneros do horror internacional mais populares no planeta desde o final dos anos 1970: o slasher movie. A intenção é comparar algumas estratégias narrativas usadas em Shock! com as formas canônicas desse subgênero, buscando caracterizar a composição específica do exemplar brasileiro e também sugerir como tal composição se relaciona com a cultura urbana jovem brasileira dos anos 1980.

5 comentários:

  1. Talvez eu procure pela Aldine Muller, uma das mulheres bonitas mais subvalorizadas do cinema nacional.

    Cultura na web:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. ela está superbem no filme!

    ResponderExcluir
  3. Daniel Salomão Roque11.10.10

    Olá, Laura, tudo ok?

    É de minha autoria aquele blog no qual foi reproduzida uma reportagem da Manchete -- aliás, agradeço desde já a divulgação -- sobre o Macumba Love. Procuro há tempos (e sem sucesso) uma cópia desse filme, e gostaria de saber se, mediante o pagamento de todas as despesas, seria possível você me enviar uma cópia do mesmo.

    De qualquer forma, te parabenizo pelo seu trabalho, que é absolutamente fantástico e necessário!

    OBS: não encontrei seu email, portanto resolvi me comunicar por aqui mesmo. O meu é salomaord@gmail.com

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Heloisa29.8.11

    Olá, Laura, gostaria de saber qual a diferença entre horror e terror.Acho que os dois gêneros são confundidos ou até mesmo sinônimos.Tenho essa dúvida e não consigo achar uma resposta confiável.
    Se puder me ajudar,agradeço.
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Heloisa, a diferença básica (de dicionário) é que o terror é um medo muito intenso, enquanto o horror é um medo intenso aliado à repugnância. Então, há quem divida o horror como o filme mais explícito, e o terror como o mais psicológico. Há também quem defenda que o horror tem que ter sempre um monstro sobrenatural, enquanto o terror trataria mais dos "monstros" humanos, loucos, psicopatas etc. Mas, no uso que a gente faz no dia-a-dia, pelo menos no Brasil, as palavras significam mais ou menos a mesma coisa quando se referem à ficção.

    ResponderExcluir