terça-feira, 9 de novembro de 2010

Jairo Ferreira fala sobre Ivan Cardoso



Trechos de Cinema de Invenção, de Jairo Ferreira:

"Ivan Cardoso – neochanchada no horror

Se Rogério Sganzerla se diz herdeiro direto de Glauber Rocha (o que me parece ter sido necessário antes que alguns aventureiros lançassem mão), temos de eleger Ivan Cardoso, após a revelação do inusitado O SEGREDO DA MÚMIA(1982), herdeiro do primeiro na tradição de um cinema de invenção, dos enfeitiçados pelo filme, tensão estrutural/tesão experimental, estirpe/astral/família, desde Afonso Segretto, passando pela independência de Mário Peixoto, Humberto Mauro, Watson Macedo, Carlos Manga, Walter Hugo Khouri, José Mojica Marins, Carlos Reichembach, Julio Bressane, Andrea Tonacci - entre outros visionários/irmãos de um universo.

Com uma estrutura narrativa facilmente assimilável por qualquer espectador, o filme é cinema da forma agitando fórmulas, o Egito que Hollywood não mostrou, reciclagem/transfiguração de clichês de spetacle num filme de baixo custo, um susto no cinemão. Não lhe falta o alto vôo cultural nem os ingredientes de aventura, violência e erotismo. Tudo num reencontro da inteligência com a bilheteria.

O acerto maior, sua originalidade, é o tom encontrado, mistura fina: neo-chanchada no horror, não escapando à sina do aventureiro: a sina ensina: o horror-faz-me-rir. Mas como existe aí um requinte que o mestre não ensinou, Walter Hugo Khouri chegou observar que Ivan é o que Mojica quer ser e não é...

Impossível deixar de comentar o extraordinário trabalho de atores. Desde o expressionismo alemão, de fato, não surge um autor tão expressivo como Felipe falcão, o abilolado assistente do cientista. Ao lado de Roma Regina Casé fantasticamente brejeira, ele dá um banho de interpretação, enquanto ela lhe dá um banho de língua na reluzente careca.

Note-se que Ivan Cardoso encontrou a entonação certa para cada um deles, a originalidade na maneira de falar. Colé está genial: melhor que eu só dois eu. Odaliscas altamente sensuais, Tânia Bôscoli à frente, egípcios implacáveis (Anselmo Vasconcellos, Hélio Oiticica, Rubem Barra), ótimos Paulo César Pereio, Jardel Filho, José Mojica Marins e Júlio Medaglia.

Em suma: Ivan Cardoso está no ponto de partida avançado para o cinema dos anos 80, um pouco pra lá de Bagdá, filmou no Cairo sem sar do Rio de Janeiro... porque sabe que cinema é sonho, pode ser até um pesadelo, mas nunca uma mentira.

Talvez seja difícil encontrar um filme fantástico realizado com um amor tão grande pelo gênero como este. Por essa razão, é uma obra rara o bastante para ser destacada: O segredo da múmia é, antes de tudo, o trabalho feito por um grande e generoso coração de cinéfilo. (Gilbert Vershooten, editor da revista belga Fantoom)

Saborosa paródia da série B hollywoodiana, homenagem irreverente porém autêntica aos célebres clássicos da Universal dos anos 30, o segredo da múmia inscreve as gaga a ala Mark Sennet como a maior eficácia no universo fílmico cortante do impressionante realizador brasileiro. Uma verdadeira história em quadrinhos cinematográfica, construída sobre o registro de deliberado mau gosto, O segredo provoca liberação e uma divertida nostalgia. (Alan Scholocoff, editor da Ecran Fantastique, Paris)
"

5 comentários:

  1. Muito legal! Os textos do Jairo são para lerver ... não seria possível disponibilizar o "Cinema de Invenção" para download no blog!?

    ResponderExcluir
  2. hehe... infelizmente, só se eu digitasse todo! como você acha que aparecem esses trechos? ;)

    ResponderExcluir
  3. Tudo bem ... Pensei na possibilidade do scanner! Cinema de Invenção é um livro fundamental e precisa ser espalhado pela rede, assim como o pensamento de Jairo que acho muito inovador em termos cinematográficos, filosóficos e linguísticos! Moro no interior do interior do país e dificilmente terei acesso a esta obra, enfim, aceito um xerox; é possível?

    ResponderExcluir
  4. dá uma olhada neste link aqui:
    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/resenha/resenha.asp?sid=015217245121113631556228911&nitem=510979
    talvez dê para encomendar. eu não tenho o livro: tirei na Biblioteca da ECA há vários anos e fichei...

    ResponderExcluir