quarta-feira, 9 de março de 2011

Os famosos e os duendes da morte


Alguns colegas, entre eles a Beatriz Saldanha, o Carlos Primati e o Cristian Verardi já tinham me falado sobre este filme, mas acabei demorando para assistir ao primeiro longa de Esmir Filho, talvez porque duvidasse que o mesmo diretor do filme-piada TAPA NA PANTERA (que depende quase que unicamente do talento da Maria Alice Vergueiro) e do infame VIBRA CALL pudesse fazer um filme de 100 minutos, ainda mais uma obra densa e de boa qualidade. Mas ele fez. E, mais importante no contexto deste blog, parece ter dialogado com uma atmosfera de terror como poucos filmes brasileiros recentes fizeram.

O longa me lembrou muito obras como PARANOID PARK, do Gus Van Saint, com aquele tipo de câmera que acompanha os personagens muito de perto, buscando não só descrever o que eles fazem, mas talvez desvendar o que eles pensam e sentem.

E, também em paralelo com PARANOID PARK, o filme faz essa escolha para contar a história de adolescentes. No caso, os que vivem no interior da serra gaúcha, numa colônia alemã, e que sentem uma compulsão por vezes incontrolável de jogarem-se de uma ponte que divide o espaço da cidade com o resto do mundo.



Obviamente que essa ponte é uma metáfora do isolamento e da estagnação das pessoas e da vida naquela cidade, mas não há dúvida de que, por alguns momentos, cria-se uma atmosfera terrível em torno de misteriosos "poderes" que a ponte poderia ter.

Ainda quero escrever mais sobre o filme, especialmente sobre a excelente direção de atores, mas, como a falta de tempo tem sido a tônica de 2011, seguem, por enquanto, outros textos, para quem quiser saber mais.

Saiba mais sobre OS FAMOSOS E OS DUENDES DA MORTE:
Site oficial

3 comentários:

  1. Fico contente que tenha gostado, Laura! Estou ansiosa para ler outros seus outros comentários, pois seus textos são sempre muito interessantes e gostosos de ler.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Opa, Laura, fico contentíssimo que tenha gostado do filme e, aparentemente, tenha enxergado nele as mesmas propriedades "horroríficas" que vi e que tanto nos interessam! Agora tenho com quem conversar, que não fica só na mesmice de "filme de arte pretensioso", hehehe...! Vou ficar aguardando ansiosamente sua análise mais detalhada - e também farei a minha, que está empacada faz tempo!

    ResponderExcluir