terça-feira, 29 de abril de 2014

Quando eu era vivo, de Marco Dutra



O público brasileiro já se acostumou a sentir arrepios – de admiração ou não – ao ouvir a voz da cantora Sandy Leah, desde os anos 1980. Arrepios de saudade ou vergonha também podem nos surpreender quando encontramos um boneco do Fofão, um compacto de Elizângela, alguma tapeçaria horrorosa emoldurada ou velhos registros familiares em VHS.

Exceto, porém, no caso de Sandy, que se consagrou como cantora pop, aqueles bonecos, discos, tapeçarias e vídeos tiveram que se contentar em sobreviver, esquecidos, nos velhos quartinhos da bagunça de muitos apartamentos.

Finalmente, em 2014, o novo filme de Marco Dutra, Quando Eu Era Vivo, nos deu um novo motivo para sentir arrepios diante da voz de Sandy e dessas lembranças ambíguas dos anos 1980 acumuladas em quartos de empregada (até que enfim!) desativados: o terror.
Leia na íntegra aqui o texto publicado na Revista Interlúdio

Outros links:
Assista ao trailer
Texto de Cid Nader
Texto de Fernando Oriente
Texto da Interlúdio sobre TRABALHAR CANSA, O SOM AO REDOR e OS INQUILINOS


Um comentário:

  1. Laura muito legal seu blog. Gostaria que conhecesse nosso trabalho. Nossa websérie terror em 1 minuto. Estamos na segunda temporada. Abraços Thais Scabio
    https://www.facebook.com/TerrorEm1Minuto/info
    https://www.youtube.com/watch?v=w_hWGY7THhE

    ResponderExcluir